A Galeria Gotlib abre a exposição “Acontece em Copacabana

A Galeria Gotlib abre a exposição "Acontece em Copacabana

A Galeria Gotlib abre a exposição “Acontece em Copacabana: Marta Bonimond, Meiga Rodrigues, Melinda Garcia, Edith Rocha, Wladimir Machado e João Poppe”, e lança o livro “Aconteceu em Copacabana”, da curadora Adriana Sussekind

A Galeria Gotlib abre a exposição “Acontece em Copacabana: Marta Bonimond, Meiga Rodrigues, Melinda Garcia, Edith Rocha, Wladimir Machado e João Poppe”, trazendo estilos diversos para falar sobre o icônico bairro carioca.

No mesmo dia, 12.12, a curadora Adriana Sussekind lança seu livro de contos e crônicas, “Aconteceu em Copacabana”, desenhando um rico panorama do bairro que é um espelho da cidade maravilhosa

A Galeria Gotlib abre a exposição “Acontece em Copacabana: Marta Bonimond, Meiga Rodrigues, Melinda Garcia, Edith Rocha, Wladimir Machado e João Poppe”, com artistas de estilos e técnicas diversas, e curadoria de Adriana Sussekind, no dia 12.12. No mesmo dia, Adriana lança seu livro “Aconteceu em Copacabana”, inspirado no icônico bairro carioca, que tem muitas histórias, personagens e as maiores manifestações culturais, como a bossa nova, o Réveillon e os anônimos que criam personagens marcantes.

Cinco pintores de diferentes estilos e uma escultora – se lançam ao desafio de captar e traduzir, individualmente, a diversidade de formas, símbolos e luzes desse bairro inebriante. Uma escritora carioca e oriunda de uma família literária, que traduz as cores, sons, aromas e histórias de Copacabana em contos e crônicas atemporais e instigantes.

“Acontece em Copacabana” é o resultado de transportar para um suporte de tela, papel ou madeira as experiências pessoais de Marta Bonimond, Meiga Rodrigues, Wladimir Machado, Edith Rocha, Melinda Garcia e João Poppe. E o ‘mar’ de histórias de Adriana Sussekind.

Texto curatorial

“Copacabana é essa imensa curva banhada pelo oceano Atlântico, povoada por vivos personagens e sua linha do tempo, em permanente transformação. As melhores manifestações culturais do Rio brotaram, e ainda brotam, nessa faixa de terra. Da Bossa Nova à festa do Réveillon, Copacabana explode em cores e sons.

Um grupo de artistas plásticos – cinco pintores de diferentes estilos e uma escultora – se lança ao desafio de captar e traduzir, individualmente, a diversidade de formas, símbolos e luzes desse bairro inebriante. Parafraseando Pirandello, estamos diante de seis artistas à procura do sentido de Copacabana.

Temos aqui, nessa mostra, o resultado de transportar para um suporte de tela, papel ou madeira experiências pessoais como: a de Marta e suas composições fluidas, de formas estilizadas; Meiga e seu figurativo abstrato, ao mesmo tempo racional e lúdico; Edith Rocha e seu realismo harmônico; Wladimir Machado e suas figuras humanas envolventes; João Poppe e sua paleta de cores luminosas; e Melinda Garcia com suas esculturas orgânicas que podem representar o início da vida na antiga terra tropical de Sacopenapã. Dos primórdios do bairro aos dias atuais percebemos os elementos perenes e os efêmeros.

Sendo assim, esperamos provocar o público observador e levá-lo à uma busca subjetiva dos vários significados possíveis da cultura copacabanense. Para encerrar essa experiência, na inauguração da mostra, teremos a apresentação de um curta-metragem, da premiada cineasta Alice de Andrade.” (Adriana Sussekind)

Prefácio livro “Aconteceu em Copacabana”

Contos de um lugar no mundo – Fabio B. Pinto

Adriana Sussekind faz parte de uma família estreitamente ligada à literatura brasileira, e demarca com este Aconteceu em Copacabana o seu lugar em uma linhagem de grandes escritores como seu pai, Carlos Sussekind, e seu bisavô, Lúcio de Mendonça, poeta e fundador da Academia Brasileira de Letras. Uma família literária. E bem carioca. Esses dois elementos, literatura e carioquice, se unem nos contos que o leitor tem diante de si.

Forjados em linguagem despojada, de tom despretensioso, esses 40 relatos curtos vão gradualmente desenhando um rico panorama do bairro que é um espelho da cidade maravilhosa que já foi definida como purgatório da beleza e do caos. Purgatório com remota possibilidade de redenção, beleza humana e natural, caos urbano em que coexistem a ordem e a desordem.

Copacabana e Rio de Janeiro estão nas histórias da adolescente que descobre a sexualidade no terraço em obras, do playboy que vive em simbiose com a mãe, na trajetória da modelo que caiu em desgraça e vai viver na rua, na lagosta de um e no arroz com feijão e banana da outra. São fios com os quais Adriana costura sutilmente o tecido que une estes contos/crônicas de variada temporalidade. Ou atemporalidade, pois se a joaninha da polícia pertence a outro tempo, a violência policial continua atualíssima, assim como o profundo abismo que separa a alienação das famílias quatrocentonas decrépitas e a precária condição social dos invisibilizados que as servem.

A autora os vê, registra seus rostos, suas circunstâncias e seu perambular às vezes sem rumo, como o caminhar claudicante do pai cujos olhos se acendem ao falar de filosofia e, de repente, dão à vida uma fagulha preciosa de sentido. Esse pai que saiu a passear de madrugada, de cuecas, numa breve e aflitiva aventura, o mesmo que um dia foi Lamartine e nos deixou uma armadilha genial. A autora, porém, não cria armadilhas. Diz textualmente que “o que acontece em Copacabana não acontece em nenhum outro lugar do mundo” e vai fotografando a alma das personagens em sua rolleiflex, ajustando a lente para captar o micro e o macro desse cotidiano único e intransferível. Afinal, em que outro canto do mundo poderíamos encontrar o filho prodígio de uma família espanhola que foi abduzido por extraterrestres? Ou a moça que não suporta as manias dos namorados e se depara com um sereio em pleno Posto 3? Os retratos de Adriana misturam a singela melancolia de Rubem Braga com a crua denúncia da hipocrisia das elites à maneira de Nelson Rodrigues.

Dividido em seis capítulos, Aconteceu em Copacabana se nutre das experiências pessoais da autora e da percepção transcendental da ressaca das ondas da adolescência, do amor, do sobrenatural e do crime. E o que se vislumbra com clareza nesse mosaico é um talento narrativo que atravessa a superfície das particularidades da rotina em busca do universal, da eternidade que há em cada momento vivido e imaginado. Alguém disse, certa vez, que para mostrar a floresta é preciso começar descrevendo uma única árvore. Máxima tão apócrifa e cheia de sabedoria quanto aquela célebre frase de efeito atribuída a Tolstói: “canta tua aldeia e cantarás o mundo”. É o que faz Adriana neste livro, canta o mundo na aldeia universal que se estende do concreto dos velhos edifícios à beira mar até as ondas desmemoriadas que se sucedem na eternidade oceânica vista por uma janela com vista para o Atlântico. Um mar infinito e exato de histórias que cabem nesse canto imenso do mundo chamado Copacabana.

Sobre a curadora Adriana Sussekind – Museóloga (UNIRIO), pós graduada em Gestão da Cultura (UNESA), Mestre em Memória Social (UNIRIO).

CURADORIAS E PESQUISAS PARA EXPOSIÇÕES

. 2023 – Curadora, pesquisadora e escritora da exposição memorialística “MARIA COLLARES, A DESEMBARGADORA VERDE”. No Museu da Justiça do TJRJ(RJ).

. 2023 – Curadora e pesquisadora da exposição “O ESCRITÓRIO – DESENHOS DE CARLOS SUSSEKIND”. Na Sala Museal – artes e ideias.

. 2004 – Curadora na exposição de artes plásticas “COGNIÇÃO”, dos artistas Ana Castro (argentina) e Valter Lano (brasileiro). Instituto Cultural Brasil Argentina. Galeria Antonio Berni.

. 2003 – Curadora na exposição de artes plásticas”FABIO INNECCO – PINTURAS”. Casa de Cultura Laura Alvim.

. 2002 – Pesquisadora na exposição “EVANDRO LINS E SILVA, UM DEFENSOR DA LIBERDADE”. Na Academia Brasileira de Letras.

. 2001 – Conservadora na primeira etapa da exposição internacional “SURREALISMO” acompanhando a chegada do acervo do Museu de Sintra, Portugal. Centro Cultural Banco do Brasil, CCBB.

. 2000 – Curadora-Assistente da exposição “PÓS-IMPRESSIONISMO E AS ORIGENS DA PINTURA MODERNA”. Projeto da Profa.Dra. Zuzana Paternostro, financiado pelo SESC. Exposição itinerante por diversos estados brasileiros onde há SESC. Foi exibida nas principais capitais durante 5 anos.


Sobre Marta Bonimond – artista visual, de dança e professora da UFRJ. É formada em Dança pela Escola Faculdade Angel Vianna, estudou Pintura na Escola de Artes Visuais do Parque Lage com João Magalhães. Tem doutorado em Sociologia pela Universidade de Brasília. Participou de diversas exposições coletivas e individuais no Rio de Janeiro, São Paulo, Nova Friburgo, Rio das Ostras, Petrópolis e Nova Iorque. É autora do ensaio “Corpos em obras – um olhar sobre as práticas corporais da cidade”, editora Annablume, além de diversos artigos e capítulos de livros no Brasil, Noruega e Estados Unidos e antologias de poesia. Realizou performances poéticas no CEP 20000 e com o Coletivo de Portas de Brasília.


Sobre Carlos Eduardo Meiga Rodrigues – bacharel em Pintura pela Escola de Belas Artes da UFRJ, cursou também Desenho e Escultura na Escola Fluminense de Belas Artes, Niterói e tem formação em cursos de computação gráfica, editoração, design gráfico e webdesign. Participou de dezenas exposições individuais e coletivas. Seus trabalhos estão no acervo permanente do Centro Cultural Municipal Calouste Gulbenkian (RJ); na Petrobrás (RJ); no Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro; na CRIARTE, Casa de Cultura de Niterói, entre outros.

EXPOSIÇÕES INDIVIDUAIS: Sala de Cultura Leila Diniz -IORJ – Niterói. 2017. E dezenas de outras individuais na CRIARTE, Museu Antônio Parreiras, Sala de exposições Cândido Portinari da UERJ, Espaço cultural Petrobrás, etc.

EXPOSIÇÕES COLETIVAS:”Esquenta!”, Galeria Eixo, Niterói. 2023; “Ecoativismo Sampa 2023” Espaço FUNARTE, São Paulo. 2023;
“Olhares Diferenciados”- Espaço Cultural Correios Niterói. 2022; “Verão 50 graus” – Espaço Galeria Zagut, RJ. 2020;


Sobre Melinda Garcia – Escultora, pintora e escritora, ingressou no universo da arte aos 7 anos, com aulas na Escolinha de Arte da UFRJ. Aos 16 anos, frequentou aulas de desenho no Parque Lage e, em seguida, passou a dedicar-se às esculturas com afinco . Convidada a levar suas esculturas à Construtora Gomes de Almeida Fernandes, foi quando começou sua carreira profissional, produzindo mais de 50 obras de grande porte para jardins, halls e espaços públicos no Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais, como a obra “Velocidade , Alma e Emoção”, com 5 metros, em bronze, instalada no Parque Ibirapuera. Além de produzir para coleções particulares, como “Flamingos” , em bronze, com 3 metros, na Casa Roberto Marinho.

Na busca de identidade própria, trafegou por quatro diferentes fases, sendo a última a orgânica , visceral; movimento que fundou e lançou no I Congresso Holístico Internacional, em Brasília, 1987, e em exposição, em 1988, na Galeria Aktuell, RJ. Em 2017, foi premiada na Bienal – ARTE FLORENCE BIENNALE. É palestrante e autora do livro “Holomovimento: Espelho d’Alma” e “The Unified Theory”, uma abordagem multi e transdisciplinar . Recentemente, expôs no Centro Cultural Correios RJ, com uma individual do tema “Imortal: Arte , Alma e Futuro”.

Sobre Edith Rocha – artista plástica, escultora e advogada nascida na cidade de Niterói, Rio de Janeiro, que atua em estilo realista contemporâneo, pintando óleo sobre tela. Iniciou seus estudos sobre artes plásticas em 1993, passando por cursos ministrados pelos professores pintores Teresa, Neusa Campagnolo, Gabriel Martins, no Curso de Desenho e Pintura IP Studio no Rio de Janeiro, RJ, complementando sua formação na Universidade Federal do Rio de Janeiro onde aperfeiçoou suas técnicas no curso Belas Artes participando em regime de “visiting scholar“.

Exposições individuais/coletivas

2012 a 2016 – Exposição Individual no Marina Barra Clube, Rio de Janeiro, RJ.

2015, janeiro – Exposição de pintura “Navegando” no Iate Clube do Rio de Janeiro no Rio de Janeiro , RJ. Curadoria de Daura Ramos.

2016, abril – Exposição “Coleção dos Meninos Pensantes” no Solar do Jambeiro, Niterói, RJ. Curadoria Edson Motta.

2016, abril – Exposição “Minhas Vistas” no Solar do Jambeiro, Niterói, RJ. Curadoria Edson Motta.

2018, abril – Exposição Individual no World Art Dubai nos Emirados Árabes.

2018, junho – Exposição Individual na Embaixada do Brasil em Abu Dabi nos Emirados Árabes.

2018, agosto – Exposição Individual na Academia Nacional de Letras e Artes (ANLA) no Rio de Janeiro, RJ.

2018, setembro – Medalha de Bronze no 1º Salão de Artes da Academia Cearense de Ciências, Letras e Artes do Rio de Janeiro no Círculo Militar da Praia Vermelha com a Exposição “Viagem ao Tempo”, Rio de Janeiro, RJ. Curadoria Vera Figueiredo. Exposição Coletiva.

2019, abril – Participação na 3ª Exposição de Arte e Literatura da Revista Italiamiga no Círculo Militar da Praia Vermelha, Rio de Janeiro, RJ. Exposição Coletiva.

2019, junho – Participação na Exposição “Eternamente Copacabana” no Museu Histórico do Exército e Forte de Copacabana, Rio de Janeiro, RJ. Curadoria Vera Figueiredo. Exposição Coletiva.

2019, agosto – Participação na XIV Salão de Artes Plásticas na Escola Superior de Guerra, Rio de Janeiro, RJ. Exposição Coletiva.

2019, setembro – Exposição individual na Galeria Arabesque no Central Park Towers em Abu Dhabi.

2022, julho – Medalha de Prata no 39º Salão Marinha do Brasil na Sociedade Brasileira de Belas Artes, Rio de Janeiro, RJ. Exposição Coletiva.

2022, outubro – Participação na Exposição Coletiva da Sociedade Brasileira de Belas Artes, Rio de Janeiro, RJ.

2022, novembro – Participação no 51º Salão de Belas Artes do Clube Naval, Rio de Janeiro, RJ. Exposição coletiva.

2022, novembro – Homenagem Especial “Broche de Ouro” do 1º Salão de Artes Plásticas da Academia Brasileira de Letras e Artes pela Paz (ABLAP). Exposição Coletiva.

2022, novembro – Medalha de Prata em Pintura no Salão “Flores e Bichos” da Sociedade Brasileira de Belas Artes, Rio de Janeiro, RJ.

2023, setembro – Exposição Individual “Coleção Geometria Sagrada” no Espaço Cultural Pintor M.D.Gotlib no Shopping Cassino Atlântico, Rio de Janeiro, RJ.

2023, novembro – Medalha de Bronze no X salão Nacional de Artes em Comemoração do Aniversário da Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra (ADESG / AN) Rio de Janeiro, RJ. Exposição Coletiva.

Sobre Vladimir Machado – Pintor, desenhista, gravador e cenógrafo. Natural do Rincão dos Alves, Jaguari,RS, 1951.

Na década de 70, tornou-se bacharel em pintura pela Escola de Belas-Artes da UFRJ. Neste mesmo período estudou pintura com Píndaro Castelo Branco, gravura em metal com Adir Botelho e serigrafia e pintura mural em afresco, no ateliê de José Moraes. Além disso, realiza a cenografia do filme O Poderoso Patrão e produz pinturas para os filmes As Musculaturas do Arco do Triunfo e Franz Kafka. Em 1986, leciona Análise da Forma, na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Silva e Souza e Pintura na Escola de Belas-Artes da UFRJ. Em 1992, realizou um painel para a Biblioteca do Departamento de Bioquímica desta última instituição. Dentre as exposições de que participa, destacam-se: Salão Nacional de Belas-Artes, no MEC, Rio de Janeiro, 1972; Salão Universitário – Funarte, Rio de Janeiro, 1975 (Premiado); Valores Novos, no Instituto Brasil-Estados Unidos, Rio de Janeiro, 1975; Salão Nacional de Artes Plásticas, no MAM/RJ, 1979; Pinturas e Desenhos, na Galeria Sesc Paulista, São Paulo, 1983/1986; First Art Exposition Brazil Holland, na World Trade Center, Amsterdam, Holanda, 1987; L´Homme Et Ses Croyances, na Inter Art Galerie, Paris, França, 1988; 3 Artistas, no MAM/Resende, 1994. Do início dos anos 70 até 2018, quando produziu seus últimos desenhos, já afetado pela doença, o artista foi um profundo pesquisador da linguagem pictórica, cujos fundamentos aprendeu na Escola de Belas Artes da UFRJ – onde trabalhou de meados dos anos 80 até sua aposentadoria como Professor Adjunto em 2015 -, fundamentos que embasaram sua poderosa verve criativa. De 1992 a 1995, fez Mestrado em Artes Visuais, História e Crítica da Arte, na Escola de Belas Artes da UFRJ. Entre 1998 e 2002, fez Doutorado em História Social (Conceito CAPES 6), pela Universidade de São Paulo, USP, Brasil. Participou de dezenas de exposições coletivas e individuais, além de fazer parte de diversos acervos.

João Poppe – 1938,desenvolveu sua carreira como fotógrafo profissional, colaborando regularmente para revistas como “Manchete”, “Veja” e outras. Também foi fotógrafo da Petrobrás.
Paralelamente, exerceu a atividade de artista plástico, utilizando acrílica sobre tela, guache sobre papel, lápis pastel e outras técnicas mistas em suas obras de arte. Seu estilo é o figurativo impressionista, retratando paisagens e figuras humanas.
Sua principal exposição individual foi no Centro Cultural dos Correios, nos anos 90.
Além disso, suas fotografias constam em importantes obras literárias como o livro ” Universo do Carnaval”, do antropólogo Roberto da Matta.

Serviço


Exposição: “Acontece em Copacabana – Marta Bonimond, Meiga Rodrigues, Melinda Garcia, Edith Rocha, Wladimir Machado e João Poppe”.
Artistas: Marta Bonimond, Meiga Rodrigues, Melinda Garcia, Edith Rocha, Wladimir Machado e João Poppe.
Curadoria: Adriana Sussekind

Livro: “Aconteceu em Copacabana”

Autoria: Adriana Sussekind
Abertura da exposição/lançamento do livro : 12.12.2023, terça-feira, a partir das 18h
Visitação: 12 a 22 de dezembro de 2023.

Horário: das 15h às 19h

Local: Galeria Gotlib (Espaço Cultural Pintor M.D. Gotlib) – Shopping Cassino Atlântico – 3º andar – Av, Atlântica, 4.240 – Copacabana, RJ.

Assessoria de Imprensa: Paula Ramagem

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *