Centro de Música Brasileira homenageia Osvaldo Lacerda

Centro de Música Brasileira homenageia Osvaldo Lacerda. No dia 23 de março, sábado, às 18h, o Centro de Música Brasileira homenageia seu fundador, o compositor Osvaldo Lacerda (1927-2011), que completaria 97 anos na data. A apresentação será no Mackenzie São Paulo, em Higienópolis. A atual presidente do CMB, a pianista Eudóxia de Barros toca piano solo, em seguida com o oboísta Rodrigo Nagamori e com a cantora Denise de Freitas. Grátis!

Osvaldo Lacerda foi um grande compositor brasileiro com um refinado nacionalismo, fruto de extenso conhecimento das características da música brasileira, aliado a sólido domínio das técnicas modernas de composição. Dividiu experiências com Camargo Guarnieri de quem foi aluno por dez anos. Em 1963 estudou nos Estados Unidos com Vittorio Giannini e Aaron Copland. Foimembro efetivo da Academia Brasileira de Música, onde ocupava a Cadeira nº 9, cujo patrono é Tomaz Cantuaria.

Ganhou vários prêmios: Prêmio “Melhor Revelação como Compositor em 1962” pela Associação de Críticos do Rio de Janeiro; Primeiro Prêmio no Concurso Nacional de Composição “Cidade de São Paulo” (pela Prefeitura Municipal de São Paulo, em 1962); Primeiro Prêmio no Concurso de Composição de Obras Sinfônicas (promovido pela Rádio Ministério da Educação e Cultura, do Rio de Janeiro, em 1962) e Segundo Prêmio no Concurso de Composição “A Canção Brasileira” (promovido pela Rádio Ministério da Educação e Cultura, do Rio de Janeiro, em 1962); Primeiro Prêmio no Concurso de Composição e arranjos para Coro Misto a Quatro Vozes (promovido pela Universidade Federal da Paraíba, em 1967); Primeiro Prêmio no I Concurso Nacional de Composição para Instrumentos de Sopro-Trompa e Fagote (promovido pelo Sindicato dos Músicos Profissionais do Município do Rio de Janeiro, em 1984); prêmios APCA nos anos de 1978, 1997, 1981, 1986 e 2012 e Troféu Guarani pela Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo, em 1997. Em 1984 fundou o Centro de Música Brasileira que tem o objetivo principal defender e difundir a música erudita brasileira.

Em 2023, Eudóxia de Barros tocou em 25 lugares de São Paulo, Rio de Janeiro, Teresópolis, Campinas, Santo André, Araras, Recife, Cuiabá, Pouso Alegre, Porto Alegre, Dois Irmãos, Novo Hamburgo, Campos do Jordão, Belo Horizonte e Florianópolis. A renomada pianista gravou mais de 30 discos, 2 DVD’s e publicou em 1979 o livro Técnica Pianística. Ocupa desde 1989, a cadeira número 14 da Academia Brasileira de Música, cujo patrono é Elias Álvares Lobo. Em 2016, sua ex-aluna Rosângela Paciello Pupo escreveu um livro sobre sua vida intitulado “Valeu a pena? Conversando com Eudóxia de Barros”. Em 2017, foi convidada pela COMEP (Edições Paulinas) a realizar a gravação completa da obra pianística de Osvaldo Lacerda (caixa com 6 CDs), tendo convidado outros seis pianistas para se unirem a ela.

O repertório que a pianista tocará com Denise de Freitas foi gravado no CD Lembrança de Amor, em 2001, pela Som Puro Records, que as artistas vão autografar ao final.

Programa – Obras de Osvaldo Lacerda

Eudóxia de Barros (piano)

Toada opus 2 (piano solo) 

Estudo nº 12 (piano solo) 


Com Rodrigo Nagamori (oboé) e Denise de Freitas (canto)

Variações sobre Carneirinho, Carneirão

Com Denise de Freitas (canto)

Quando entardece – texto de Vicente de Carvalho

Porque – texto de Guilherme de Almeida

Martírio – texto de Junqueira Freire

Conselhos de Amor – texto de diversos autores

Prece – texto de Gregório de Matos

Contrição – texto de Gregório de Matos

A Maldição – texto de Olavo Bilac

Lembrança de amor – texto de Vicente de Carvalho

Ladainha – texto de Cassiano Ricardo

Descrente do amor – texto de diversos autores

Cantiga I – texto de Manoel Bandeira

Desafio – texto folclórico

Currículos

Eudóxia de Barros nasceu em São Paulo, em 18 de setembro de 1937. Estudou piano com Mathilde Frediani e Karl Heim. Em 1953 foi uma das vencedoras do concurso para solista da Orquestra Sinfônica Brasileira, sob a regência de Eleazar de Carvalho. Estudou com Magdalena Tagliaferro, entre 1954 e 1957. Seguiu para Paris, onde estudou com Tagliaferro, Pierre Sancan, Christianne Sénart, o russo Pyotr Kostanoff e Lazare Levy. Retornou para o Brasil em 1959 e tornou-se aluna de Guilherme Fontainha, Camargo Guarnieri e Osvaldo Lacerda (matérias teóricas e após seu casamento, tocava para ele seus programas, tendo obtido enorme aproveitamento sobretudo em sonoridade e observância total das partituras). Aperfeiçoou-se nos Estados Unidos com Olegna Fuschi e Howard Aibel, entre 1965 e 1967, ocasião na qual deu aulas na North Carolina School of Arts. Na Alemanha, entre 1969 e 1970, estudou com Walter Blankenheim. Aqui no Brasil teve ainda estes eméritos professores: Roberto Sabbag, Sebastian Benda, Arnaldo Estrella e Yara Bernette. De 2005 a 2017, se aconselhava com o insigne Maestro Henrique Morelenbaum, com enorme aproveitamento, se apresentando a ele no Rio de Janeiro, à cada repertório novo que fazia.
Apresentou concertos em várias cidades americanas, como Nova York, Washington, Houston, Winston Salem, Miami, Chicago e Asheville, em importantes salas como a National Gallery of Art, no Town Hall e no Carnegie Hall. Foi solista à frente da Orquestra Sinfônica de Cleveland, sob a regência de José Serebrier. Sua carreira internacional a levou para concertos em Paris (Salle Gaveau), Suíça, Inglaterra, Colômbia, Equador, Peru, Paraguai, Uruguai, Bolívia, Panamá e México.
No Brasil foi solista à frente de várias orquestras como a OSESP – Sinfônica do Estado de São Paulo, Sinfônica Municipal de São Paulo, Sinfônica de Santo André, Sinfonia Cultura, Sinfônica da USP, Sinfônica do Teatro Nacional de Brasília, Sinfônica de Porto Alegre, Sinfônica Brasileira, Petrobras Sinfônica, entre outras.
Casou-se em 1982 com o compositor Osvaldo Lacerda que a ela dedicou inúmeras obras, entre elas Cromos para piano e orquestra, peça premiada pela APCA e que já apresentou 14 vezes pelo Brasil . Com ele fundou (1984) e atualmente preside, o Centro de Música Brasileira, em São Paulo, e que já completou 354 apresentações.
Possui extensa produção fonográfica, com destaque para a gravação do Concerto nº 2 para piano e orquestra de Camargo Guarnieri, sob a regência do compositor, à frente da Orquestra Sinfônica Brasileira. Outros registros importantes são os da obra de Ernesto Nazareth, Zequinha de Abreu, Eduardo Souto, Osvaldo Lacerda e muitos outros compositores brasileiros.
Youtube @EUDOXIAdeBARROSpiano
Instagram @eudoxiadebarros

Rodrigo Nagamori iniciou seus estudos de oboé aos 11 anos de idade, na Escola Municipal de Música  com o professor Benito Sanchez e logo aos 14 anos, ingressou na Orquestra  Sinfônica Jovem do Estado de SP. Desde então, participou das mais importantes  orquestras do país como a Orquestra Experimental de Repertório, Orquestra  Sinfônica de Santo André, Orquestra Sinfônica de São Bernardo do Campo,  Orquestra Sinfonia Cultura (extinta orquestra da Rádio e Tv Cultura) e Orquestra  Sinfônica do Paraná. É convidado frequente como solista e professor de várias instituições e é integrante do trio de palhetas São Paulo Ensemble. Em 2010, realizou um curso de lutheria de oboés, fagotes e clarinetes sob a supervisão do mestre luthier Ludwig Frank na fábrica da LF, Adler e Mónnig em  Berlin e Markneukirchen – Alemanha. Em 2014 e 2015 foi professor e solista convidado no Oboefest, festival internacional de oboés, realizado em Rosário – Argentina. É professor do Instituto Baccarelli e desde 2005 é o primeiro oboísta da Orquestra Sinfônica do Teatro Municipal de São Paulo. O músico toca com um oboé Fossati-Paris modelo FX3.

Denise de Freitas destaca-se como uma artista de grande expressividade musical e cênica. Estudou com a renomada mezzo soprano Lenice Prioli. Em 2017 ganhou Prêmio APCA. Em 2019 destacou-se cantando o Requiem de Verdi no Theatro Municipal de São Paulo sob regência de Enrique Arturo Diemecke; a Oitava Sinfonia de Mahler, na Sala São Paulo sob regência de Marin Alsop; e ainda sua interpretação como Alma, papel título da ópera de Cláudio Santoro, sob regência de Marcelo de Jesus, vencedora do prêmio de melhor ópera do ano pela revista concerto. Em 2018, a convite do Itamaraty (Ministério das Relações Exteriores), viajau à Tel Aviv para apresentar-se no Festival Internacional de Música Felicja Blumental numa noite integralmente dedicada às canções de Villa-Lobos. Com este programa, excursionou ainda pelas cidades de Budapeste, Berlim e Copenhagen, representando a música e a cultura do Brasil nestas três importantes capitais europeias. Gravou pelo selo Naxos, a Sinfonia nº 8, II Movimento, de Claudio Santoro, sob regência de Neil Thomson. Na ópera de Bogotá, participou das encenações de “Le Nozze di Figaro”, “Les Contes d’Hoffmann” e de “Il Barbiere di Siviglia”. Cantou em forma de concerto, a ópera “Yerma”, de Villa-Lobos, em Berlim, Paris e Lisboa.

Centro de Música Brasileira – CMB é uma sociedade civil sem fins lucrativos, fundada em São Paulo, em 18 de dezembro de 1984, iniciando suas atividades em 29 de abril de 1985, no Teatro de Cultura Artística, com recital de Eudóxia de Barros, que é a atual Presidente. O compositor Osvaldo Lacerda foi o Presidente até 2011.
O CMB visa defender e promover a música brasileira erudita de todas as épocas e estilos. Por duas vezes recebeu Prêmio da Associação Paulista de Críticos de Arte – APCA. Realizou 355 apresentações em São Paulo, e um total de 48 em cidades do interior dos estados de São Paulo e Minas Gerais. Em 2022, as apresentações acontecem nos auditórios da Universidade Presbiteriana Mackenzie.
Financeiramente sobrevive por investimento da pianista Eudóxia de Barros, parceria com a Universidade Presbiteriana Mackenzie que cede o auditório e por anuidades de músicos interessados, R$ 150,00 (individual) e R$ 280,00 (casal).
Promoveu vários concursos nacionais de Interpretação: 7 da Canção de Câmara Brasileira; 5 de Músicas Brasileiras para Piano; 2 de Músicas Brasileiras para Flauta.
Realizou um Concurso de Monografia “O Dobrado”, e dois de Composição: o primeiro, em parceria com a Biblioteca Municipal Mário de Andrade de São Paulo, em 2008, o Concurso de Tocata para Piano, vencido em 1º lugar por Nelson Lin, que teve prêmio oferecido pela Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo e a impressão da Tocata, pela Academia Brasileira de Música. Em 2009, na Casa Mário de Andrade, foram realizados o II Concurso de Interpretação de Músicas Brasileiras para Flauta e o V Concurso de Interpretação de Músicas Brasileiras para Piano, com prêmios oferecidos pela Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo.
Facebook: https://www.facebook.com/centrodemusicabrasileira

Vídeo

Eudoxia de Barros (2018) – Lecuona: Damisela Encantadora

 

Serviço:

23 de março, sábado, às 18h

Homenagem a Osvaldo Lacerda

Concerto do Centro de Música Brasileira

Eudóxia de Barros (piano)
Rodrigo Nagamori
 (oboé)
Denise de Freitas (canto)

Local: Auditório Escola Americana – Campus Higienópolis
Universidade Presbiteriana Mackenzie
Rua Piauí, 130
Higienópolis
Próximo ao Metrô Higienópolis-Mackenzie
Tem acessibilidade

130 lugares
Duração: 2h

Classificação Livre

Grátis!

Rodrigo Nagamori – foto de Rafael Salvador

Denise de Freitas – foto de Paulo Lacerda

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *