Mitologia da origem do povo Pataxó é narrada em encontro no Museu das Culturas Indígenas

Mitologia da origem do povo Pataxó é narrada em encontro no Museu das Culturas Indígenas. Natan Kuparaka, da etnia Pataxó, narrará a história no próximo sábado (16/03), às 10h; os ingressos estão disponíveis no site: https://museudasculturasindigenas.org.br/

São Paulo, março de 2024 – A mitologia do primeiro indígena da etnia Pataxó, Txopay Itôhã, será contada por Natan Kuparaka, em 16/03, às 10h, na Programação de Contação de Histórias do Museu das Culturas Indígenas (MCI) – instituição da Secretaria da Cultura, Economia e Indústria Criativas do Estado de São Paulo, gerida pela ACAM Portinari (Associação Cultural de Apoio ao Museu Casa de Portinari), em parceria com o Instituto Maracá e o Conselho Indígena Aty Mirim.

No mito sobre a origem do povo Pataxó, a última gota de uma enorme chuva transformou-se em Txopay Itôhã, primeiro indígena a pisar na Terra. Ao nascer, ele observou a natureza e ficou fascinado com a sua beleza. Aprendeu a viver em harmonia com os bichos, os rios e a mata, passou a caçar, plantar e pescar, respeitando todos os segredos da Mãe Natureza.

Depois de um longo período, mais uma chuva se formou e de cada gota veio um novo indígena Pataxó, originando uma grande nação na Terra. Txopay, com a sabedoria de quem nasceu primeiro, reuniu-se com seus novos irmãos e os ensinou viver, trabalhar e respeitar a natureza.

Natan Kuparaka, que vai narrar a história para o público, é indígena da etnia Pataxó, graduado em Direito, membro da União Plurinacional dos Estudantes Indígenas e Serviço de Assistência Jurídico Universitária da Faculdade de Direito da USP. Também participa do Levante Indígena da USP e da Rede de Atenção à Pessoa Indígena (Rede Indígena – IPUSP).

Cosmovisões do povo Pataxó

Registros históricos da presença do povo Pataxó no nordeste brasileiro remontam ao século XVI. Foi em seu território originário, na Praia da Coroa Vermelha, em Porto Seguro (BA), que os colonizadores portugueses realizaram a primeira missa no Brasil, em 26 de abril de 1.500.

Desde então, o povo Pataxó estabeleceu-se no extremo sul da Bahia e vive nas Terras Indígenas Águas Belas, Aldeia Velha, Barra Velha, Imbiriba, Coroa Vermelha e Mata Medonha, presentes nas cidades de Santa Cruz Cabrália, Porto Seguro, Itamaraju e Prado.

Muitos migraram para outros estados, como São Paulo, em busca de novas oportunidades. É o caso da família de Natan: “sou filho de migrantes de Coroa Vermelha, extremo Sul da Bahia. Buscamos sempre visitar nossos parentes no Nordeste para vivenciarmos integralmente nossos costumes e cultura”, conta. “Encontramos com outros povos da região – como os Pankararu, Pankararé, Wassu Cocal, para compartilharmos nossas vivências de indígenas nordestinos vivendo em São Paulo”, revela.

A cosmovisão do povo Pataxó está ligada aos Encantados, entidades do mundo espiritual e protetores da natureza. Creem no Grande Espírito Niamissū – um dos principais elementos no mito de origem, responsável por comunicar a vinda dessa grande nação para a Terra, e em Txopay Itôhã, deus guerreiro da água e personagem central na história que será narrada por Natan Kupaka. Muito ligados à chuva, os Pataxó celebram a Festa das Águas, um ritual que simboliza fartura e acontece em 05 de outubro, Dia de Txopay.

Nas tradições das artes manuais, os Pataxó são conhecidos por utilizar recursos da natureza para esculpir e talhar esculturas, confeccionar cocares, brincos, colares, pulseiras e, em especial, a produção artes com sementes vermelha de Pau-Brasil.

SERVIÇO

Contação de Histórias Indígenas: História de Txopay Itôhã, com Natan Kuparaka

Data e horário: 16 de março, às 10h

Participação gratuita e ingressos disponíveis no site.

Sobre o MCI – Localizado na capital paulista, o Museu das Culturas Indígenas (MCI) é uma instituição da Secretaria da Cultura, Economia e Indústria Criativas do Governo do Estado de São Paulo, gerida pela ACAM Portinari – Organização Social de Cultura, em parceria com o Instituto Maracá e o Conselho Aty Mirim.

Local: Museu das Culturas Indígenas

Endereço: R. Dona Germaine Burchard, 451, Água Branca, São Paulo/SP

Funcionamento: de terça a domingo, das 9h às 18h; às quintas-feiras até às 20h; fechado às segundas-feiras (exceto feriados)

Telefone: (11) 3873-1541

E-mail: contato@museudasculturasindigenas.org.br

Sitewww.museudasculturasindigenas.org.br

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *